Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2016

7 DICAS PARA INCENTIVAR AS CRIANÇAS A PRATICAREM A SUSTENTABILIDADE

7 dicas para incentivar as crianças a praticarem sustentabilidade29/06/2016Armário Orgânico
Você já parou para pensar que crianças que não convivem com a natureza tornam-se adultos que não sentem a necessidade de protegê-la?Segundo estudo publicado no jornal The Guardian, para despertar o espírito da preservação, do cuidado e do respeito, é preciso conhecer e entender o importante papel que o meio ambiente tem na manutenção da qualidade de vida. Essa percepção começa a ser desenvolvida durante as experiências na infância. Assim, cabe a nós mostrar aos nossos filhos que a preservação dos recursos naturais é realmente necessária e extremamente importante. É essencial sempre tratar este assunto de forma bem lúdica e leve. Você pode usar explicações que façam parte do universo deles, de forma que eles realmente entendam. A partir de pequenas atitudes diárias é possível não só ajudar a preservar a saúde do planeta, mas também criar um ambiente melhor dentro de casa. Diante disso, separamos aqu…

A CRIANÇA E O ESTADO DE PUREZA ORIGINAL

A CRIANÇA E O ESTADO DE PUREZA ORIGINAL
Carlos Cardoso Aveline
“Uma criança que encanta a alma das pessoas com seu sorriso estimula nos adultos a capacidade de amar e de compreender. Recém-chegada do Reino dos Céus, ela traz consigo o perfume sagrado da etapa celestial que há entre uma encarnação e outra. Ela faz acordar a criança imortal dentro de cada um. O sorriso infantil que se abre como um sol cura instantaneamente as feridas da alma. Uma criança não é só um símbolo da inteligência espiritual e da compaixão universal. Ela é de fato uma consciência sagrada.” Carlos Cardoso Aveline

Uma expressão de dor, um pequeno gemido e uma dúzia de adultos ao redor entra em pânico. Um sorriso, uma risada, uma palavra nova dita desajeitadamente, e os que estão por perto são transportados a um estado de alegria, riem encantados, esquecem problemas e preocupações. Um adulto até brinca e fala como criança, quando se dirige a ela, pelo puro prazer de mergulhar no estado primordial de unidade com a vida…

SÍNDROME DA ALIENAÇÃO PARENTAL(SAP)

Síndrome da alienação parental(SAP)
Luiza Fletcher • 29 de abril de 2015
A Síndrome da Alienação Parental (SAP) caracteriza-se principalmente pela rejeição, sem nenhuma justificativa, por parte de um filho por algum dos seus pais. Mas o detalhe dessa situação é que esse sentimento de desamor não surge de maneira “natural”, e , sim, é algo “programado” pelo outro progenitor com quem a criança convive ou passa a maior parte do tempo. Fundamentalmente, nesta desordem, os filhos são usados sem consideração, ignorando o dano psicológico permanente que o progenitor alienador está causando.É como muitos de nós nos perguntamos: é possível que um pai use indiscriminadamente um filho com a única finalidade de se vingar ou atingir o outro progenitor?
Desenvolvimento do SAP: Mãe versus Pai
Habitualmente, essa situação se desenvolve em situações de separação ou divórcio, nas quais, obviamente, a custódia física e moral dos filhos está em jogo. É dessa forma que o progenitor que é responsável pelo filho…

SEMPRE HÁ ESPERANÇA ! A NOVA VIDA DO NIGERIANO ABANDONADO POR SER BRUXO

Hope está se recuperando bem e feliz (Foto: Reprodução Facebook) Sempre há esperança! A nova vida do nigeriano abandonado por ser bruxo
ELE FOI ENCONTRADO POR UMA ATIVISTA DINAMARQUESA QUE O AJUDOU31.03.2016
Lembra desta história? Hope era um menino nigeriano debilitado  que mau conseguia ficar de pé. Seus pais o abandonaram porque achavam que ele era um bruxo. Difícil de acreditar, mas é uma triste verdade… Ele tinha só dois anos quando Anja Rinnggren Lovén, ativista dinamarquesa e fundadora da ONG “African Children’s Aid Education and Development Foundation” o encontrou e decidiu ajudá-lo. Publicidade “Quando o abracei pela primeira vez, tinha quase certeza que ele morreria. Cada respiro era uma luta”, contou Anja para o jornal espanhol “El País”. Ela também explicou porque escolheu chamar o garoto de Hope (esperança, em português). “Não queria que ele morresse sem um nome, sem dignidade.” O nome não significa só esperança, mas também está ligado a expressão “Help one person everyday” …

INTRODUÇÃO ALIMENTAR PODE PREVENIR ALERGIAS

Introdução alimentar pode prevenir alergias
A introdução precoce de alimentos potencialmente alergênicos na dieta das crianças pode diminuir o risco de sensibilização, de acordo com resultados apresentados na reunião anual da American Thoracic Society, realizada de 13 a 18 de maio de 2017 em San Francisco, Califórnia . Para o estudo, 1.421 crianças foram submetidas ao teste cutâneo de sensibilidade ao leite de vaca, clara de ovo e de amendoim com um ano de idade. Questionários de nutrição foram completados pelos pais quando os filhos tinham 3, 6, 12, 18 e 24 meses de idade. A maioria das crianças tiveram exposição anterior ao leite, enquanto os pais mais frequentemente retardaram a introdução aos ovos e, particularmente, a amendoins. Os pesquisadores descobriram que a introdução precoce foi associada a um risco menor de sensibilização para que os alimentos. Oferecer ovos aos filhos antes de um ano de idade também reduziu as chances de sensibilização a qualquer um dos três alimentos testa…

NÃO AO ESTEREÓTIPO DE GÊNEROS : CRIAR FILHOS FORA DA CAIXA

NÃO aos estereótipos de gênero: criar filhos fora da caixa Essa semana li matérias em que associei pontos comuns num olhar social sobre família e sexualidade humana. Gostaria de deixar a reflexão e esclarecer porquê comparei os casos. Foto: Helena e Anderson com seu filho Gregório Acima a foto da primeira família, o casal de transgêneros Anderson e Helena que tiveram um bebê, um tipo de relação que causa curiosidade e diversos preconceitos segundo o relato deles namatéria ao jornal Zero Hora, a exemplo de um senhor que comentou no ônibus para Anderson “como pode uma machorra grávida?!”. Sim, ele ficou grávido! Ambos nasceram com um sexo biológico, mas ao crescerem sentiram-se como sendo do sexo oposto, assumiram e ainda encontraram um amor que vive a mesma realidade. Então, o nascimento de Gregório fortaleceu esse laço familiar, gravidez que nunca confundiu a percepção sexual de Anderson, “Eu gerei o Gregório, mas sou o pai. A mãe é a Helena. Vamos explicar isso para ele quando crescer.”