Pular para o conteúdo principal

COMO ESTIMULAR A AUTO-ESTIMA DA CRIANÇA

mãe e filho


Como Estimular a Auto-estima da Criança


Saiba como estimular a auto-estima do seu filho desde cedo


Quer um ser com mais autoestima neste mundo do que as crianças? Bom, geralmente é assim mesmo e deveria ser, pois as crianças são os indivíduos com mais potencial para autoestima elevada visto que ainda não internalizaram certas normas e regras implícitas ou explicitas da sociedade em que vivem. Mas, nem sempre é assim. É possível encontrar algumas crianças, mesmo em idades tenras, com problemas de autoestima.
Para a criança de até 2 anos de idade, o mundo, e principalmente, os pais, existem apenas para a tarefa de suprir todas as necessidades dela. É simples assim. A partir de 2 anos, a criança vai percebendo que as coisas são mais complexas, que a mãe, por exemplo, tem outros afazeres ou outros filhos, que o pai sai todos o dia para trabalhar independente de sua vontade, que o mundo à sua volta possui regras e que, inclusive ela tem que seguir algumas normas e obedecer aos pais, tias, irmãos mais velho, professoras da creche ou escola e etc.
Sentir este “trauma” de que não é o centro de tudo aos 2 anos pode levar a criança a vários tipos de comportamentos. Um deles é tentar burlar as normas e fazer com que tudo volte a ser como ela achava que era. Ou então ela pode se desenvolver lidando bem com toda esta situação ou então pode se sentir diminuída ao perceber tudo isso e começar a desenvolver problemas de autoestima ou autoimagem. No inconsciente ela se culpa, pensa: “será que isso está acontecendo porque não sou tão boa assim?”
Nestes casos é importante os pais estimularem a criança para que a mesma apresente uma autoestima elevada. Ao mesmo tempo com certo equilíbrio para que não pareça prepotência ou que aquela criança ainda não saiu da fase de se achar o centro de tudo.
mãe brincando com filho

Atitudes e comportamentos que elevam a auto-estima das crianças

  • Carinho nunca é demais. Dê muito carinho ao seu filho. Abrace, beije, acarinhe o quanto você puder. Em nada este comportamento irá ser negativo ou estragar e mimar sua criança. Claro que, quando estiver corrigindo é corrigir e pronto. Mas, tirando estes momentos, quanto mais amado ele se sentir melhor irá ser para sua autoestima.
  • Elogie-o constantemente. Sempre que o seu filho fizer algo de positivo (mesmo que seja uma obrigação que ele já faça frequentemente) elogie. Diga o quanto você gosta de vê-lo naquela situação ou fazendo determinada coisa e o porquê disso. Não adianta ficar apenas nos elogios generalistas, pois seu filho sente quando é de verdade ou quando são apenas palavras que os pais acostumaram-se a dizer.
  • Demonstre sempre que sente orgulho da pessoa que seu filho é. Sabe aquela coisa de dizer que ele é tão bonitinho? Quem sabe não seria melhor, trocar o bonitinho por bonzinho de vez em quando? É importante que ele sinta que você tem orgulho dele também pelo o que ele é, pelas atitudes que ele tem e não apenas porque tem uma boa aparência.

Atitudes e comportamentos que diminuem a auto-estima das crianças

  • Criticar a criança em detrimento da ação errada. É claro que em determinado momento a criança terá de ouvir críticas. Porém, é extremamente prejudicial ao desenvolvimento de sua autoestima que a mesma ouça críticas contra ela. Se ela fez algo errado não diga que ela é má, burra ou coisas do tipo. Diga que o que ela fez é errado, que o comportamento que ela demonstrou é errado.
  • Nunca compare seu filho a outra pessoa ou qualquer outra coisa. Pessoas são incomparáveis. Algumas situações podem ser comparadas, mas pessoas não. São seres únicos e singulares.
  • Não faça medo em seu filho. Não cante boi, boi, boi… E também não diga que o homem do saco virá pegá-lo caso não obedeça. A criança precisa se sentir segura para desenvolver sua autoestima de forma positiva.
  • Cuide da sua autoestima. Seu filho, mesmo sem saber explicar ou falar sobre isso, será a primeira pessoa a perceber que alguma coisa está acontecendo com você, que não se sente legal com você mesma. E a tendência das crianças é achar que tudo é culpa delas. Isso não ajuda na formação da personalidade ou da autoestima.
A formação emocional de uma criança é complexa e delicada. Contudo, as mães, na grande maioria das vezes, superam todos estes obstáculos pelo simples fato de que com a intuição e o amor incondicional elas sabem do que seus filhos precisam e não se intimidam de dar.
Fonte:http://www.mamaeonline.com.br/como-estimular-a-autoestima-da-crianca/

mãe e filho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A TABELA MONTESSORI : DESCUBRA QUAIS TAREFAS QUE SEU FILHO PODE FAZER SOZINHO E EM QUE IDADE

A Tabela Montessori: descubra quais as tarefas que seu filho pode fazer sozinho e em que idade
Todos nós queremos que os nossos filhos se tornem adultos responsáveis e educados. No entanto,a maioria dos pais passa o dia a limpar a bagunça de suas crianças. Se elas não forem ensinadas desde muito cedo a ajudar nas tarefas, dificilmente o farão quando crescerem. Maria Montessori foi uma das grandes pedagogas do século XX. Ainda hoje muitos pais seguem suas ideias para educar com sucesso as crianças usando a lógica, o bom senso e a calma. Assim, os filhos conseguem desenvolver uma personalidade harmoniosa e equilibrada. Para conseguir isso, a escola Montessori criou uma tabela de tarefas de acordo com a idade de cada criança. A maioria são afazeres domésticos. O cumprimento destas tarefas irá ajudar os mais pequenos a desenvolver o seu pragmatismo, habilidades motoras e experiência sensorial, fazendo-os sentir úteis e importantes. Fonte:http://blogsupermae.com/a-tabela-montessori-descubra-qua…

O SEGREDO DA RESILIÊNCIA : COMO CRIANÇAS DE LARES DISFUNCIONAIS SE TORNAM ADULTOS DE SUCESSO

O SEGREDO DA RESILIÊNCIA: COMO CRIANÇAS DE LARES DISFUNCIONAIS SE TORNAM ADULTOS DE SUCESSO
PORAna Carolina Leonardi Com mais de 60 anos de duração, estudo ainda ajuda a entender como seres humanos se adaptam a situações adversas. Praticamente toda a criança que nasceu na ilha de Kauai, no Havaí, no ano de 1955, já ouviu falar nas psicólogas Emmy Werner e Ruth Smith. As duas acompanharam quase 700 bebês para entender como a infância molda a vida adulta das pessoas. Mais de 60 anos depois, o estudo continua – e ainda dá pistas de como as crianças com infâncias de “alto risco” são capazes de se tornar adultos emocionalmente equilibrados e realizados Os bebês havaianos dos anos 50 foram divididos em dois grupos. Aqueles que estavam no primeiro tinham condições favoráveis de desenvolvimento, como uma família estruturada e amorosa e estabilidade financeira. No outro grupo, estavam as crianças de famílias muito pobres, cujas mães passaram por estresses perto da data do parto. Doenças na família,…

NUNCA TIVEMOS UMA GERAÇÃO TÃO TRISTE - AUGUSTO CURY

Nunca Tivemos Uma Geração Tão Triste - AUGUSTO CURY
Augusto Cury, o famoso psiquiatra que tem livros publicados em mais de 70 países e dá palestras para multidões no Brasil e lá fora, lançou recentemente uma versão para crianças e adolescentes  do seu best-seller Ansiedade – Como Enfrentar o Mal do Século.

Excesso de estímulos “Estamos assistindo ao assassinato coletivo da infância das crianças e da juventude dos adolescentes no mundo todo. Nós alteramos o ritmo de construção dos pensamentos por meio do excesso de estímulos, sejam presentes a todo momento, seja acesso ilimitado a smartphones, redes sociais, jogos de videogame ou excesso de TV. Eles estão perdendo as habilidades sócio-emocionais mais importantes: se colocar no lugar do outro, pensar antes de agir, expor e não impor as ideias, aprender a arte de agradecer. É preciso ensiná-los a proteger a emoção para que fiquem livres de transtornos psíquicos. Eles necessitam  gerenciar os pensamentos para prevenir a ansiedade. Ter consciê…