Pular para o conteúdo principal

CUIDADO COM OS FILHOS.DE PERTO E DE LONGE,SEM CULPA

shutterstock_267439832


Cuidados com os filhos. 

De perto e de longe, sem culpa

Vou trabalhar e agora? Com quem deixar meu filho?
O retorno ao mercado trabalho, seja por necessidade financeira, seja por dar continuidade a carreira ou até, por uma questão de autoestima e constante evolução pessoal, é muito importante para a mulher depois que se tornou mãe.
shutterstock_2066129Atualmente, crescem o número de mães empreendedoras que mesmo largando sua carreira e emprego antes da maternidade, para poder estar perto dos cuidados com os filhos, hora ou outra, o desejo de retornar as atividades vem à tona, abrindo um negócio, de maneira autônoma em home office, enfim, qualquer que seja o formato, antes de tomar esta decisão, devemos definir quem ficará com nossos filhos.
Mesmo trabalhando em casa, quando você cria um novo negócio você precisa organizar seu dia para se dedicar e se concentrar no trabalho, além de continuar no controle da rotina do seu filho, por isso é preciso uma ajuda.
Abaixo consegui reunir alguns prós e contras de diferentes modelos de ajuda:
As Vovós
shutterstock_187520492
Ponto favorável
Esta relação de afeto é sempre positiva, pois a figura da avó estabelecerá um vínculo tendo ou não os cuidados diários do bebê em suas mãos, por isso não há confusão, além do que,  amor e carinho, são sempre bem-vindos!
Ponto Desfavorável
Dificilmente você terá todo o controle das condutas em suas mãos sem gerar algum tipo de conflito, afinal, pessoas com mais experiência de vida, tendem sempre a querer nos ensinar e muitas vezes impor, suas condutas e experiências vividas no passado, mas que nem sempre, são coerentes com o presente ou com a linha que você optou para o seu filho. Estes atritos constantes, podem gerar um conflito nas relações a longo prazo, o que não é bom nem para a mamãe, nem para a vovó e muito menos para o bebê.
As Babás
shutterstock_301478432
Nos dias de hoje, está cada vez mais difícil encontrar uma profissional séria, responsável e disponível que coordene seus atributos e serviços com nossas necessidades. Além de claro, os custos que aumentaram bastante após a chegada da PEC das Domésticas. Uma lei muito bem-vinda, pois acredito de verdade, que as profissionais da área merecem todo o respeito e direitos envolvidos, afinal, direitos conquistados caminham ao lado de deveres exigidos. Mas com a crise instaurada no Brasil, fica cada vez mais difícil arcarmos com estas despesas.
De qualquer forma, se você tem a sorte de ter ao seu lado uma profissional de qualidade e responsabilidade, ótimo, é muito válido.
Ponto favorável
Uma profissional competente e responsável, te deixará muito tranquila em relação aos cuidados com seu pequeno na sua ausência, além do que, sendo sua funcionária, você pode adequar toda a rotina e necessidade do seu filho de acordo com sua visão -diferente do caso da vovó- e ela terá que agir de acordo com sua diretriz.
Ponto desfavorável
Percebi por experiência própria, que as relações e as sensações a longo prazo, do envolvimento da babá com a criança e a família, podem trazer um certo distanciamento dos pais com a criança. Isso mesmo. Quando você paga um profissional para cuidar de seu filho, ela se tornará a referência para ele em alguns aspectos simples mas importantes, no desenvolvimento de suas memórias afetivas, como hora do banho, da refeição, da lição de casa, da brincadeira… O carinho na hora da febre, enfim, esta ajuda apesar de necessária e sempre bem-vinda, principalmente para as mamães que trabalham fora, requer atenção.
O exemplo citado acima, está muito bem retratado no filme “Que Horas ela volta?” da diretora Anna Muylaert.
cms-image-000463135
Sendo assim, para que você não deixe os laços entre mãe e filho se perderem com o tempo, traga para si alguns momentos importantes com seu filho, como a hora do jantar, do banho, permita-se fazer tudo com ele aos finais de semana e redobre a qualidade nos momentos em que estiverem juntos, para você ser sempre seu porto seguro!
Período Integral na Escola
shutterstock_102586190
Mesmo com o custo um pouco mais elevado, muitas famílias estão considerando esta opção, uma vez que se colocarmos na ponta do lápis os custos de um funcionário e atividades extra curriculares que vão chegando conforme a idade como: natação, inglês, judô, ballet, acabaremos chegando em valores bem equivalentes.
Visão favorável
Criança gosta de brincar com criança, isso é fato!  
À partir de 3 anos de idade, com seu sistema imunológico amadurecido e cheio de energia para explorar o mundo, estar na escola além do período de aula é delicioso para as crianças.
Brincar com outras crianças, fazer atividade lúdicas e divertidas em um universo familiar podem trazer além de alegria, muitos benefícios como: aprender a dividir, fazer amigos, conhecer e respeitar regras sociais, estabelecer uma rotina coerente e claro, estar em um ambiente adequado para o seu desenvolvimento, evita surpresas desagradáveis, como aprender termos errados que um funcionário pode trazer de seu universo ou até, passar horas e horas na frente de uma TV ou outros eletrônicos.
O mais importante é priorizar a brincadeira e o bem-estar neste tempo extra, para não sobrecarregar nem se deixar perder o viver da infância.
Visão desfavorável
Passar o dia todo na escola pode ser cansativo, por isso, a atenção ao descanso noturno deve ser redobrada para crianças que ficam na escola em período integral. Respeitar as horas necessárias de sono, ter sempre um jantar leve e nutritivo o esperando e evitar novas atividades desgastantes, são sempre aconselháveis para não sobrecarregar seu organismo.
shutterstock_110699252A relação entre a família e a escola também deve ser relevada antes de matricular seu filho, entenda as condutas de atividade X horas de descanso, conheça um pouco mais sobre a alimentação, acesso ao cardápio e ao controle sobre como seu filho tem se alimentado na instituição, sempre ajuda a entender como está seu rendimento.
E claro, redobre a qualidade do tempo em que estão juntos, preservando horário de refeições, conversas sobre o dia, banho e hora de dormir, sendo sempre sua referência para os momentos de afeto e
Em todos os formatos o mais importante é não deixar a volta ao trabalho, sobrecarga, cansaço ou preocupações, interfiram em sua conexão com seu filho.
Quando a mãe volta ao trabalho, terceirizar os cuidados é necessário, porém investir na relação saudável, amorosa, cuidadosa e delicada entre mãe e filho, é essencial,  não há dinheiro que pague, nem tempo que volte atrás, mas lembre-se sem culpa!
Fonte:https://www.eusemfronteiras.com.br/cuidados-com-os-filhos-de-perto-e-de-longe-sem-culpa/
shutterstock_267439832

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A TABELA MONTESSORI : DESCUBRA QUAIS TAREFAS QUE SEU FILHO PODE FAZER SOZINHO E EM QUE IDADE

A Tabela Montessori: descubra quais as tarefas que seu filho pode fazer sozinho e em que idade
Todos nós queremos que os nossos filhos se tornem adultos responsáveis e educados. No entanto,a maioria dos pais passa o dia a limpar a bagunça de suas crianças.Se elas não forem ensinadas desde muito cedo a ajudar nas tarefas, dificilmente o farão quando crescerem. Maria Montessori foi uma das grandes pedagogas do século XX. Ainda hoje muitos pais seguem suas ideias para educar com sucesso as crianças usando a lógica, o bom senso e a calma. Assim, os filhos conseguem desenvolver uma personalidade harmoniosa e equilibrada. Para conseguir isso, a escola Montessori criou uma tabela de tarefas de acordo com a idade de cada criança. A maioria são afazeres domésticos. O cumprimento destas tarefas irá ajudar os mais pequenos a desenvolver o seu pragmatismo, habilidades motoras e experiência sensorial, fazendo-os sentir úteis e importantes.
Fonte:http://blogsupermae.com/a-tabela-montessori-descubra-quai…

O SEGREDO DA RESILIÊNCIA : COMO CRIANÇAS DE LARES DISFUNCIONAIS SE TORNAM ADULTOS DE SUCESSO

O SEGREDO DA RESILIÊNCIA: COMO CRIANÇAS DE LARES DISFUNCIONAIS SE TORNAM ADULTOS DE SUCESSO
PORAna Carolina Leonardi Com mais de 60 anos de duração, estudo ainda ajuda a entender como seres humanos se adaptam a situações adversas. Praticamente toda a criança que nasceu na ilha de Kauai, no Havaí, no ano de 1955, já ouviu falar nas psicólogas Emmy Werner e Ruth Smith. As duas acompanharam quase 700 bebês para entender como a infância molda a vida adulta das pessoas. Mais de 60 anos depois, o estudo continua – e ainda dá pistas de como as crianças com infâncias de “alto risco” são capazes de se tornar adultos emocionalmente equilibrados e realizados Os bebês havaianos dos anos 50 foram divididos em dois grupos. Aqueles que estavam no primeiro tinham condições favoráveis de desenvolvimento, como uma família estruturada e amorosa e estabilidade financeira. No outro grupo, estavam as crianças de famílias muito pobres, cujas mães passaram por estresses perto da data do parto. Doenças na família,…

NUNCA TIVEMOS UMA GERAÇÃO TÃO TRISTE - AUGUSTO CURY

Nunca Tivemos Uma Geração Tão Triste - AUGUSTO CURY
Augusto Cury, o famoso psiquiatra que tem livros publicados em mais de 70 países e dá palestras para multidões no Brasil e lá fora, lançou recentemente uma versão para crianças e adolescentes  do seu best-seller Ansiedade – Como Enfrentar o Mal do Século.

Excesso de estímulos “Estamos assistindo ao assassinato coletivo da infância das crianças e da juventude dos adolescentes no mundo todo. Nós alteramos o ritmo de construção dos pensamentos por meio do excesso de estímulos, sejam presentes a todo momento, seja acesso ilimitado a smartphones, redes sociais, jogos de videogame ou excesso de TV. Eles estão perdendo as habilidades sócio-emocionais mais importantes: se colocar no lugar do outro, pensar antes de agir, expor e não impor as ideias, aprender a arte de agradecer. É preciso ensiná-los a proteger a emoção para que fiquem livres de transtornos psíquicos. Eles necessitam  gerenciar os pensamentos para prevenir a ansiedade. Ter consciê…